QUE TÊM SOFT SKILLS A VER COM PRODUTIVIDADE?

SOFT SKILLS pode ser definido como o conjunto de qualidades, atitudes e comportamentos que caracterizam uma pessoa e definem o seu comportamento.

Há várias formas de abordar a produtividade, mas todas se ligam a resultados.

Para este artigo, considero apenas duas dimensões relacionadas com produtividade: organização como entidade corporativa e pessoas, como capital humano.

As organizações já têm as pessoas. Mas precisam encontrar melhores maneiras de explorar o seu potencial, permitindo-lhes que brilhem, e sejam os seus principais embaixadores. Quando as pessoas são brilhantes, as empresas tendem a ser bem-sucedidas.

Organizações e pessoas estão confrontadas com mudanças radicais nos contextos de mercado e laboral. Para ambas, há necessidade de adaptação constante, sair da zona de conforto, mudar o mindset, deixar de resistir à mudança. São factores críticos e profundamente disruptivos.

São as pessoas que possuem soft skills. Daí a importância das organizações adoptarem uma cultura de aprendizado contínuo, adapatação, crescimento e desenvolvimento pessoal, ou seja, desenvolver uma cultura team-centric, na qual aprender – desenvolver – crescer são aspectos da dinâmica do employer experience design.

Vários estudos demonstram a correlação entre soft skills, desempenho, criatividade e produtividade.

O State of the Global Workplace, Gallup Survey, 2017, realizado em 155 países, mostra que na Europa, 85% das pessoas não estão comprometidas com o seu trabalho. Este estudo refere ainda que as empresas com sistemas de gestão e liderança orientadas para as necessidades humanas, como relações laborais positivas, reconhecimento, aprendizado contínuo e oportunidades de desenvolvimento pessoal, obtêm melhores resultados e maior engagement dos seus colaboradores.

O QUE SÃO SOFT SKILLS E QUE IMPORTÂNCIA TÊM NA PERFORMANCE E NO DESEMPENHO? 

A relação laboral é essencialmente uma relação emocional, trocada entre um conjunto de pessoas, com diferentes papéis na organização. Ora a natureza humana é gerida pela sua cognição, mas é o que sente que motiva a qualidade das suas acções e relações, mesmo as profissionais.

James Heckman, prémio nobel da economia, afirma que “O sucesso é definido pelas soft skills”, estabelecendo uma correlação de causa-efeito entre soft skills e realização pessoal e profissional.  

O conceito de soft skills pode ser definido como o conjunto de qualidades, atitudes e comportamentos que caracterizam um bom líder e um membro valioso de uma equipa, no âmbito da sua actividade profissional, assim como nas relações intrapessoais e interpessoais, na vida pessoal e profissional.

O engagement, motivação, performance, desempenho, e, por conseguinte, a produtividade, recebem impactos significativos de melhoria, através de uma política de desenvolvimento de soft skills.

Soft skills são, portanto, características qualitativas, valores e forças intrínsecas (potenciais e talentos) e comportamentais, de uma pessoa ou de um conjunto de pessoas, como, por exemplo, uma equipa.

COMO AUMENTAR O ENGAGEMENT E A PRODUTIVIDADE ATRAVÉS DA MELHORIA DAS SOFT SKILLS?

É importante ter em conta o desejo fundamental do ser humano de fazer algo significativo, sentir-se digno e obter reconhecimento.

Tendo presente este princípio, quando pessoas e empresas estão no seu nível mais elevado, as possibilidades e oportunidades adquirem um valor infinito, altamente activador de acção centrada em resultados.

A implementação de uma cultura baseada em valores, acelera a dinâmica das soft skills, o que por sua vez se traduz numa visão consistente da organização, e propicia uma genuína vontade de contribuir. Estes são quatros dos elementos que devem constar da visão e da cultura organizacional, que tem em conta as necessidades humanas:

  • Construir uma cultura de alto desempenho, na qual as pessoas se sintam merecedoras, respeitadas e positivamente incentivadas
  • Vincular as funções e ações das pessoas aos objectivos da organização
  • Desenvolver os seus potenciais e talentos, não só na perspectiva da produtividade, mas também na melhoria das suas qualidades humanas e relacionais
  • Ter atenção e cuidado genuíno com as pessoas    

Elevar a consistência das soft skills acelera a concretização de resultados, com menos esforço, de forma mais constante e duradoura, fazendo da vida e do trabalho uma experiência aliciante e, por conseguinte, motivadora.

Um plano de formação, estratégico, tailor made e devidamente elaborado, que inclua mentoring ou coaching responde a esta necessidade.

A “guerra” pelo talento, e também todos os estudos recentes sobre engagement, produtividade ou inovação, chamam a atenção para a cada vez maior importância de não se descurarem as soft skills. Os programas mais inovadores de employer branding e employer experience contemplam esta abordagem.

Em duas décadas de experiência, tenho testemunhado como a elevação das soft skills contribui para melhor gestão de stress, redução de conflitos, melhor gestão do tempo, aumento da motivação, redução de turnover, melhor equilíbrio entre vida pessoal e vida profissional, entre outras.

Qual o benefício destas melhorias? O bem-estar, nas pessoas. A produtividade, na organização!

Este artigo foi publicado na edição de Julho/Agosto de 2018, da revista RH Magazine, paginas 58, 59

Recent Posts